Make your own free website on Tripod.com
 
JUSTICE   DEUS  MEUM  JUS  ET  FORTITUDINIS
LAWINDEPENDENCELIBERTYFREEDOMLAW
 
 
 
 SUPREME SOVEREIGNTY
 


 HISTORY  OF  CABINDA

 1 - THE KINGDOM OF LOANGO 
 2 - THE KINGDOM OF KAKONGO 
 3 - THE KINGDOM OF NGOYO
 4 - MAP OF THE CABINDA KINGDOMS OF  LOANGO, CACONGO, ANGOI
 5 - RELATION OF THE KINGDOMS of Loango, Ngoyo with the Kingdom of Kongo
 6 - HISTORY OF CABINDA
 7 - THE HONORABLE PEOPLE OF CABINDA
  8 - ORDERS AND DECORATIONS OF THE FEDERAL REPUBLIC OF CABINDA
  9 - PRESIDENT OF THE FEDERAL REPUBLIC OF CABINDA

 LINKS
 
 


 
 
"First visited by the portuguese in the late XV century, Cabinda was composed of  3 Kingdoms : Loango, Kakongo and Ngoyo, at the North of the Congo river, and Ndongo, at the South of the Congo river."
 
Loango, Kingdom of
 
         Former African Kingdom in the basin of the Kouilou and Niari rivers.  It extended from what is now northern Cabinda northward into Congo.
        The Loango Kingdom was founded by the  People, Bavili ,  before 1485, it was one of the Oldest and Largest Kingdoms of the region. By 1600 it was importing ivory and slaves from the interior along well established trade routes that extended as far inland as Malebo Pool.

           Administration was orderly and decentralized. The men in line for succession to the Crown served as provincial Governors, rotating provinces in a set sequence each time a King died. Other territorial officials held office for life.
           By the XVIII century, power had become fragmented. A long interregnum began in 1786, and when a King was finally enthroned he lacked any real authority.
           The term Loango coast describes a historically significant area of West Central Africa. Within This region, Loango has been the name of a Kingdom, a Province, and a Port functioning as the main city and Capital of the Kingdom.
           Once linked to the powerful Kongo Kingdom, the Loango Kingdom was dominated by the Vili, a Kongo peoples who migrated to the coastal region during the 1300s.
           Loango became an independent state probably in the late 1300s or early 1400s.
           With two other Kongo related Kingdoms, Kakongo and Ngoyo, present day Cabinda, it became one of the most important trading states north of the Congo River.

 

The External Trade of the Loango Coast 1576-1870
 
The Effects of Changing Commercial Relations on the Vili Kingdom of Loango By Phyllis M. Martin

            There are two very common misconceptions about African History. The first is that before the arrival of the Europeans all Black Africa was occupied by "primitive" tribes. The second is that a clear distinction can be made between colonial and precolonial history. The External Trade of the Loango Coast, an account of a little known but intriguing part of African history, provides good illustration of the fallacy of both these ideas. The subject may seem esoteric, but consider whether a book entitled "english foreign trade 1500-1800" would be considered at all remarkable.
            In the 16th and 17th centuries the Vili Kingdom of Loango, situated on the west coast of Africa between the equator and the mouth of the Congo, was a powerful centralised state. Its ruler, the Maloango, was able to impose his own conditions on European traders, and played the different nations (predominantly portuguese and dutch) off against one another. Vili brokers acted as middlemen between African traders and European ship captains and Vili officials exacted taxes and duties; both made immense profits. Vili currency (palm cloth) remained in use throughout the whole of southwest Africa for several centuries.
            The trade was initially in luxury goods, with ivory, redwood and copper being traded for cloth, guns and other manufactures, but the growing demand for slaves in the New World (America) resulted in the almost completely domination of the slave trade. The volume of slaves exported from the Loango coast reached over 15000 per year, and Vili merchants penetrated far into the African interior in search of new sources.
            The primary economic effect of this trade was to create a class of rich Nobles whose wealth did not depend on the Maloango. This resulted in the gradual collapse of centralised authority and the eventual lapse of the office of Maloango. So the final demise of the Kingdom was due to European influence, but only indirectly so.

 
SUMMARY

Kakongo, Kingdom of
(  Kacongo , Cakongo , Cacongo )
            Former African Kingdom, founded about the XV century on the Atlantic coast between the Kingdoms of Loango  in the north and Ngoyo  in the south. It extended from what is now central Cabinda eastward into Zaire.
           The main town was Malemba, a port that grew in importance after 1700 as a center for the export of slaves; port facilities were expanded from that time to handle increasing numbers of french, english, and portuguese trading ships. The offices of "governor of the harbor" and "minister of trade and europeans" rivaled the Crown in prestige and authority.
           Slavery transformed the social and political structure: status came to depend on the number of slaves owned, and free non nobles either fell into slavery or rose to the Nobility.
           The increasingly strong Nobles asserted their autonomy, reducing the King to a figurehead.           After the 1830s they dropped any pretense of adhering to a unified state, and the Kakongo Monarchy ceased activity.
SUMMARY

Ngoyo, Kingdom of
( Ngoye , Ngoy , Angoi , Ngoio )
 
 
Old Royal Crown of the Kings of Ngoyo
(Hand Crafted from Gold and Copper)
 
                Former Kingdom on the Atlantic coast of Central Africa, just north of the Congo (Zaire) River, in an area that is now the south of Cabinda. It was founded by Bantu speaking People about the XV century. The domestic and foreign  rapidly became a major feature of the economy, with the port of Cabinda serving as the locus of foreign trade.When the portuguese built a fort in Cabinda in 1783, Ngoyo allied with neighboring Kakongo and with the French to destroy it. Exporting slaves gradually brought wealth and power to the Ngoyo Nobility at the expense of the King, who was rendered ineffectual.
             The Kingdom finally disintegrated into petty Principalities after the Nobles failed to elect a new King in the 1830s.
SUMMARY

MAP OF THE CABINDA KINGDOMS  OF LOANGO, CACONGO, ANGOI 
SUMMARY

The Relation of the Kingdoms of Loango and Ngoyo with the Kingdom of Kongo

          For the public, the word "Kongo" evokes immediately the African continent. Today, two countries and a river carry this name. But the word "Kongo", written "Congo" today, also evokes seven centuries of history - a history that is inseparable from that of central Africa."Kongo" is first of all the name of a people, who after a long migration, settled down in the XIII Century at the mouth of the great river.
            When the portugese, in search of a new route to India, arrived in 1482 on the Zaire coast, they entered for the first time in contact with the Kongo Kingdom. Powerful and structured, this Kingdom extended from what today is Eastern D.R.C. (ex Zaire), Cabinda, southern Congo (Brazzaville) and a part of Gabon.
           Organized into six provinces, the Kongo Kingdom encompassed a large number of ethnic groups. Fruits of military conquest, results of Kongo lineage's, or simply attracted by the splendor of the Kingdom, these other groups adopted a large part of the Kongo culture.
            Thus, the Sundis, Bembes, Yombes, Vilis, whose common language is Kikongo, formed this large collection of people still known today as "Bakongo". But far from being a homogeneous group, the Bakongos have kept a part of their original traditions.      
             The Kongo and other culturally related ethnic groups the Yombe, Woyo, Vili, Solongo and Sundi inhabit the Lower Zaïre area between the Atlantic coast and Malebo Pool.
            This region, which once constituted the historic Kingdom of Kongo, is at present part of Cabinda, the Congo and Zaïre.

         The ancient Kingdom of Kongo, with Mbanza Kongo as its capital, was probably founded at the end of the XIV century.
         When the portuguese reached the Zaïre estuary in 1482-1483, the country was a prospering political and economic center. The King was at the head of a complex system of government, composed of a number of districts and provinces. The districts were governed directly by the King and his next of kin, while the provinces remained under the authority of the long-established aristocracy.
          In time, some independent Kingdoms were founded in the area; XVI century sources mention not only the Kingdom of Kongo but also those of Loango, Ngoyo and Vungu.

        The territorial supremacy of the Kongo rulers gradually declined as a result of political intrigues, disputes related to succession, invasions and the slave trade.
        By about 1710 the Kongo Kingdom had disintegrated into small Chieftainships.
        From the XVIII century and through the XIX century a complete political about-face took place.
        The idea of a Kingdom as a political institution become a myth ; all that remained was a cultural unity.

         The european presence in the region, from the XV century onwards, led to the conversion Of the Kongo court and the establishment of catholicism as the state religion. However, traditional Rituals and Religious institutions were not entirely supplanted; rather, Western elements were selectively integrated into existing traditions.

        Head of the Sovereign Family: The portuguese did not want to recognize the qualification of  Alteza (HH) since this implied that the King was not a vassal of the king of portugal but acceded to the qualification of Senhor (Lord).        .

        Mvemba-a-Nzinga, renamed Afonso I on his conversion to Christianity c1491, 7th King of Mbanza Congo 1509-1543, styled : by the grace of God, King of Congo, of Loango, of Kakongo and of Ngoyo, below and beyond Zaïre, Lord of the Ambundo and of Aquisima, of Musunu, of Matamba, of Mulili, of Musuku and of the Anziques, of the Conquest, of Pangu Alumbu, etc., received a coat of arms from the KIng of portugal, +1543.
 

Linhagem dos Ntotila Reis do Antigo Reino do Congo
Lineage of the Ntotila Kings of the Ancient Kingdom of Congo
 

Before the arrival of the portuguese sailors:
Antes da chegada dos marinheiros portugueses:

I - First Kings

- King Ntinu Nimi-a-Lukeni (séc. XIV )
- King Nanga kia Ntinu Kongo
-  ..................................
-  ..................................
- King Nkuwu-a-Ntinu

- After the arrivel of the portuguese sailors 1482 :
- Depois da chegada dos marinheiros portugueses 1482 :

II - First Kings converted to Christianity.

- King Nzinga-a-Nkuwu, João I                                                                       (1509)
- King Mvemba-a-Nzinga, Afonso I                                                         (1509-1540)
- King Nkanga-a-Mvemba, Pedro I                                                          (1540-1544)
- King Mpudi-a-Nzinga Mvemba, Francisco I,                                          (1544-1546)
- King Nkumbi Mpudi a Nzinga, Diogo I                                                  (1546-1561)
- King Mvemba-a-Nzinga, Afonso II                                                                (1561)
- King Mvemba- a-Nzinga, Bernardo I                                                     (1561-1567)
- King Mpudi-a-Mvemba Nzinga, Henrique I                                            (1567-1568)
- King Mpangu-a-Nimi Lukeni lua Mvemba, Álvaro I                                (1568-1574)
- King Mpangu-a-Nimi Lukeni lua Mvemba, Álvaro II                               (1574-1614)
- King Mpangu-a-Nimi Lukeni lua Mvemba, Bernardo II                                  (+1615)
- King Mbika-a-Mpangu Nimi Lukeni lua Mvemba, Álvaro III                    (1615-1622)
- King Nkanga-a-Mvika lua Ntumba-a-Mvemba, Pedro II Afonso               (1622-1624)
- King Mvemba-a-Nkanga Ntinu, Garcia I                                                 (1624-1626)
- King Mvemba-a-Nkanga Ntinu, Ambrósio I                                            (1626-1631)
- King Mvemba-a-Nkanga Ntinu, Álvaro IV                                              (1631-1636)
- King Mvemba-a-Nkanga Ntinu, Álvaro V                                               (1636-1638)
- King Mvemba-a-Nkanga Ntinu, Álvaro VI                                              (1638-1641)
- King Nkanga-a-Lukeni, Garcia II                                                           (1641-1663)

Durante o período das lutas pelo poder:

In Mbanza , St. Saviour:
Em Mbanza , São Salvador :

- King Vita-a-Nkanga, António I                                                              (1663-1666)
- King Mpangu-a-Nsundi, Alvaro VII,                                                      (1666-1667)
- King Alvaro VIII                                                                                  (1667-1678)
- King Rafael  I                                                                                      (1669-1675)
- King Mpangu-a-Miyala, Daniel I                                                           (1678-1680)
- ............................................
- King Nsaku-a-Mvemba, Pedro IV                                                        (1694-1710)
- King Mpangu, Pedro Constantino                                                               (+1710)

In Ki-Mpangu:
Em Ki-Mpangu:

- King Afonso III Afonso                                                                      (1667-1669)
- King Nkanga-a-Mvemba,  Garcia III                                                    (1669-1678)
- King Nlaza, André I                                                                                  (+1679)
- King Nimi-a-Mvemba, Álvaro IX                                                               (+1680)
- King Nzinga, Manuel I                                                                              (+1680)
- King Nsaku-a-Mvemba, Pedro IV                                                        (1694-1710)

In Mbula  :
Em Mbula:

- King Nsuku-a-Ntamba, Pedro III                                                         (1667-1679)
- King Nsuku-a-Ntamba, João II                                                            (1679-1710)

In the XIX century :
No séc. XIX:- King Zuzi,
- King Henrique,
- King NIengi,
- King Kafwasa,
- King Garcia Nkanga-a-Mvemba,
- King André,
- King Henrique Lunga,
- King Pedro V,
- King Kivuzi,                                                                                       (1855-1891)
- King Mfutila,                                                                                            (+1896)
- King Nteve,
- King Kenje.

           When the portuguese arrived to the estuary of the Congo in 1482, they found themselves in contact with one of the largest States in Africa south of the Sahara, and with one of the very few large States situated anywhere near the coastline.
           This was the Kingdom of the Bakongo, a Bantu People whose King, the Man-i-kongo, had his capital at Mbanzakongo, the modern Sao Salvador. The Kongo Kingdom was a typical 'Sudanic' state, the nucleus of which had been founded, in the late fourteenth or early, fifteenth century, by a conquering group from the small State of Bungu on the north bank of the lower Congo. The founders were sufficiently numerous to introduce the Kongo language and gradually to subject and assimilate an Indigenous Population, most of which previously spoke Mbundu. The Bakongo founders were remembered especially as clever smiths.
          On this account they had been formidable both as hunters and as warriors, and in the Kongo kingdom smiths were always afterwards treated to chiefly honors and privileges. Most of the kingdom was directly administered by the Manikongo through a hierarchy of appointed chiefs and sub chiefs. It was bounded by the Atlantic, the Congo, the Kwango and the Dande, and its population was estimated by a seventeenth-century missionary at 2.5 million. Around the directly administered provinces were clusters of smaller states which formed part of the same complex. Between the Congo estuary and the Kwilu Niari, the next big river to the north of it, were the three Kingdoms of Ngoyo, Kakongo and Loango, which had likewise been created by Kongo-speaking conquerors from Bungu, To the east and south were large regions, such as Okango and Matamba, where scores of small indigenous Kingdoms paid fitful tribute to the Manikongo in order to avoid the attention of his raiding armies.
 
             From the end of the fifteenth until the last quarter of the sixteenth century, however, the portuguese concentrated their efforts upon the main Kongo Kingdom. Missionaries were sent in 1490, with masons, carpenters and other skilled artisans. The Manikongo, most of his family and some of his great Chiefs were converted; the capital was rebuilt in stone; and many young Congolese were removed to europe for education. As was only to be expected, most of the early converts proved not very serious; but concerning one of them, at least, there was never any doubt. Nzinga Mbemba, baptized as Afonso in 1491, succeeded to the throne in 1507 and ruled as an ardent and enlightened Christian until his death in 1543. It was his wholly sincere wish to remodel his Kingdom along the lines of those of western europe, and had the portuguese been able to sustain the partial altruism of their early contacts, he might have gone far towards succeeding.
               Unfortunately, the extension of the slave trade soon began to loom larger in portuguese aims than the creation of a Christian state in Africa.
               There had been slavery in Kongo, as in every other part of Africa, long before europeans began to export slaves overseas; and even Afonso, though he made clear his dislike of the trade, was willing to pay in slaves for the european goods and services which he regarded as essential. The demand for labor in portugal's transatlantic colony of Brazil, however, was soon such that it could be supplied only by more warlike means than Afonso and his successors were prepared or able to employ. Though a handful of missionaries continued to work in the Kongo Kingdom, portuguese 'aid' soon dried up; and in 1575 Paulo Dias de Novais was sent as a conquistador to inaugurate a new phase in portuguese relations with West Central Africa. Paulo Dias made his base at Sao Pedro de luanda, a little to the south of the Kongo frontier.
             Officially, relations with the Manikongos remained peaceful. But the new portuguese method of colonization, aimed principally at supplying the slave trade, was to train and arm bands of native ,allies to make war on the peoples all round the slowly expanding frontier of the colony; and naturally it was not long before the Kongo Kingdom's southern provinces became a favorite target for such forays. Early seventeenth-century Manikongos, all of whom were still Christian in name, and some so in practice, addressed pitiful appeals to the Holy See through their missionaries. Several Popes showed a personal concern in the situation, and stem letters passed from Rome to lisbon, but the portuguese government declared itself powerless to control its subjects in Africa. Finally, in 1660 the Bakongo turned to war  with disastrous results. Defeated by the portuguese and their allies in a series of battles, the Manikongos were left too weak to maintain the internal unity of their Kingdom. Peripheral provinces broke away, rival dynasties competed for the throne, even the missionary contacts with the outside world broke down; so that by the end of the eighteenth century Christianity was but a memory, and the former Kingdom had shriveled to a few villages around Sao Salvador. 

SUMMARY

 HISTORY OF CABINDA
( Text in portuguese )
HISTORIA DE CABINDA

          A origem etimológica do termo "Cabinda" que , nas fontes escritas europeias dos sec. XVI-XVII, aparece como "Cabinde", "Cabenda", "Kapinda" ou ainda "Kabinda"  para designar a cidade e o porto que corresponde a presente cidade com o mesmo nome e que os naturais apelidavam , então por Kioua (deve ler-se "Tchioua") que significava "praça, mercado".

         Segundo uma versão muito seguida o nome "Cabinda" teria derivado por um processo de aglutinação das palavras Mafuka ( nome que identificava o cargo de intendente do Rei de Ngoyo para o comercio e, como tal, o homem das relações com os europeus) e Binda nome próprio de um deles.

    Vamos abordar o trajecto histórico da presença de portugal na costa centro-oeste de África onde, no séc. XIX, para desenhar a configuração geográfica e política actual do problema de  Cabinda, criado pelos potugueses e seus compinchas angolanos.

     De facto, e tal como um ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de portugal Durão Barroso afirmou, na abertura do IV Congresso das Academias de História Ibero-americanas, realizado na Torre do Tombo, em lisboa, no mês de Nov. de 1994, "uma decisão política que não respeite o passado não terá visão de futuro". Esta constatação adquire o maior significado se levarmos em linha de conta que ela foi produzida por um político (e os políticos nem sempre se mostram muito empenhados na sustentação histórica das suas propostas e decisões) que era, simultaneamente, o ministro responsável pela condução da política externa portuguesa num momento particularmente sensível para Cabinda, cuja população também vive o drama de uma interminável guerra de que não pode ser responsabilizada e que é obrigada a alimentar com as rendas do petróleo extraído nas suas plataformas marítima". (55)

     É muito longa e "um caso ímpar" (56) a história das relações de portugal com os povos Bakongo do antigo Reino do Congo (57) do qual o actual Estado de Cabinda fazia, já então, parte integrante do seu domínio territorial. Só bastante mais tarde os portugueses entrariam em contacto (oficial) com os Ambundo do "Reino" de Ndongo, situado no território compreendido entre os rios Bengo e Dande.

     Efectivamente, foi no longínquo ano de 1482 que Diogo Cão, às ordens do rei de portugal D. João II, colocou solenemente na margem esquerda do rio Nzadi ou Nzari (Zaire) o seu primeiro padrão (o Padrão de S. Jorge) (58) e enviou os primeiros emissários encarregados de levarem as homenagens e presentes do rei de portugal ao manicongo (59), senhor de um vasto território, designado nas relações dos viajantes e missionários europeus dos séc.s XVI e XVI por Reino do Congo, estendendo-se pelas duas margens daquele rio para norte até ao rio Ogoué (Gabão), para sul até ao rio Cuanza e muito para o interior até ao rio Cuango, onde se localizava Mbanza Congo (São Salvador), situada no angulo formado pelo rio Kwilu e o seu afluente, o rio Twa (60).

    A privilegiada situação geográfica de Mbanza Congo terá justificado a migração, nos finais do séc. XV, de um grupo ou grupos de Yombe da região de Vungu ao norte do rio Zaire e a sua fixação neste local que o mítico Nimi a Lukeni, investido no poder pelo ancestro "Nzaku"
("taata" ) a autoridade mítica do grupo que o precedera (e ao seu grupo) neste território, escolheu para sua residência. Lukeni ("mwana" de Nzaku) investiria por sua vez outros Chefes ("mwanas") com quem tinha ligações de linhagem, concedendo-lhes domínios ("nsi") e poderes.

   Estabeleceu-se, assim, uma hierarquia entre a Chefatura original de Mbanza-Kongo, residência do Ntotila (Rei) e importante pólo de confluência dos povos da Costa Atlântica e do interior do Continente e os restantes Chefes e os diferentes grupos de linhagem distribuídos pelos novos territórios que os europeus apelidaram de "províncias", muito mais uma divisão de linhagens que de regiões. Na verdade, Mpemba, Mbata, Mbamba, Nsongo, Nsundi e Mpangu não constituíam divisões administrativas reais, mas áreas sucessivas da expansão do prestígio e da autoridade da Chefatura de Mbanza Kongo (61).

      A força do poder central dependia da personalidade do Ntotila (Rei), mas o sistema da sua eleição constituía o principal ponto de conflitualidade do regime. A coexistência de duas coordenadas dialécticas para a sucessão ao trono, a matrilincaridade e a patrilateralidade, ainda que de certa forma complementares e equilibrantes através do jogo das alianças, criava facções opostas e instabilidade político-social. A primeira, uma regra associada ao culto dos antepassados maternos, constituía a origem da autoridade e assegurava a continuidade histórica do grupo. Segundo "De Cleene", que estudou de perto os Maiombe (Baixo Congo), este culto ancestral desempenhava um papel fulcral no imaginário ritual e religioso deste povo, tal como acontecia entre os Kongo, em geral (62). A segunda, a patrilateralidade, servia de fundamento do poder  (63).

     As constantes redistribuicões do poder e autoridade de correntes deste regime de sucessão matrilinear terão levado, mais tarde no séc. XVI, o Ntotila Mvemba a Nzinga (D. Afonso I ) a adoptar o formalismo do aparelho administrativo europeu e a religião Cristã como forma de estruturar um poder centralizado, hereditário e territorializado, capaz de integrar, subordinando, os poderes autónomos dos diferentes grupos e Chefaturas.

    Para além daquelas "províncias", a suserania do manicongo estendia-se, nos finais do séc. XV, a vários Reinos  tributários, com destaque para os do Ngoyo e do Kakongo situados a norte do rio Zaire e em cujos territórios se configuraria o moderno Estado de Cabinda.

   Seria esta organização sociopolítica extremamente segmentada e conflitual mas com unidade e homogencidade cultural suficientes para preservar a sua identidade que os "estranhos" portugueses tactearam pela primeira vez e muito provavelmente, na privilegiada baía das Almadias de Ngoyo, na data já referida de 1482  (64). Com efeito, as óptimas condições de abrigo desta baía e a abundância de água fresca nesta costa fazem supor que Diogo Cão tenha abordado estes territórios logo aquando da sua primeira viagem.

    Numa nova viagem ao Zaire e, desta vez, acompanhado por religiosos da Ordem Terciária de São Francisco do convento de Santarém (65), Diogo Cão subiu o rio até aos rápidos de lelala, a 160 km da foz, em cujos rochedos deixou uma inscrição (66) e as armas de portugal, desembarcou e seguiu por terra até à residência do Ntotila (Rei) de Mbanza Kongo, Nzinga a Nkuwu, onde foi recebido festivamente. "E depois de, com muita graça e fervor, mostrar desejo de ser Cristão, despediu Diogo Cão e navios"  (67).

     No regresso, o navegador português fez-se acompanhar de uma Embaixada do Manicongo a D. João Il chefiada por um dos seus familiares, de nome Cacuta (68). Diogo Cão conseguira ganhar a sua confiança e amizade, leválo a aceitar o Cristianismo e a estabelecer com portugal relações comerciais.

    Em 29 de Mar. de 1491, e na sequência de uma solicitação das autoridades locais, desembarcava no Zaire, na enseada de Santo António (ou do Soyo) uma numerosa expedição portuguesa sob o comando de Rui de Sousa, integrando missionários, operários e colonos com o propósito de iniciar a evangelização Cristã (69) e afirmar definitivamente a soberania portuguesa num ponto da Costa Ocidental Africana particularmente sensível tanto para a penetração no interior do Continente - a via de acesso ao mítico, mas real, Rei abexim ''Zara Jacob" (Preste João, para os ocidentais) a quem D. João II enviara alguns anos antes, em 1487, os experimentados Afonso de Paiva e Pero da Covilhã - como para o progresso da navegação no Atlântico Sul, pois a índia era, já então, a miragem.

     0 sucesso destes primeiros contactos substantivar-se-ia, alguns anos depois, num acto singular que constituiria o alicerce da longa história de comunicações entre portugueses e Congoleses: o reconhecimento pelo Ntotila D. Afonso I Mvemba-a-Nzinga, Rei do Congo de 1507 a 1543, do monarca português D. Manuel I como seu "muito amado irmão" (70).

     Progressivamente, introduziria em São Salvador, e com os objectivos já referidos, o estilo da chancelaria portuguesa em termos de organização e protocolo e adoptaria para o seu Reino alguns aspectos da organização política e social dos estados europeus.

  Mas a adopção formal destes elementos exógenos e de todo estranhos às concepções e práticas tradicionais da sociedade Congolesa não deixaria de desencadear fortes resistências na cultura autóctone e nas estruturas sóciopolíticas regionais. Com efeito, durante muito tempo, o impacto deste esforço de aculturação ter-se-á insularizado na Corte de Mbanza Kongo, (71) e esteve na origem de rebeliões como a protagonizada por Mpanzu-a-Kitina e a "revolta da casa grande dos ídolos", liderada por D. Jorge Muxueta (72).

      Tratou-se de uma reacção natural de um dos Chefes tradicionais em defesa da cultura original, dos seus valores e representações face a uma cultura diferente e mesmo oposta em múltiplos aspectos. Os Bakongo, já o afirmámos, possuíam uma organização política descentralizada onde as relações transversais prevaleciam sobre as piramidais mas, pesem embora, as tensões e conflitualidade que gerava, tal facto jamais fora impeditivo da preservação de um certo equilíbrio estruturante e dinâmico.
         Por isso, este acto de rebeldia só poderá surpreender uma certa perspectiva etnocêntrica de "civilização" que alimentou o paradigma do Desenvolvimento em oitocentos (com prolongamentos até pelo menos aos anos 60 do séc. XX ) para quem a África pré-colonial era um "no man's land' ou "um continente sem história" (73). Não surpreendeu seguramente os portugueses de quatrocentos e de quinhentos que desde logo se aperceberam da forte coesão e identidade cultural destes povos e do desenvolvimento da sua cultura material traduzida no trabalho em ferro, cobre, madeira e marfim bem como na tecelagem, onde os Bakongo tinham alcançado um nível superior à maior parte dos povos bantos (74). J. Van. Wing partilha desta convicção ao afirmar, referindo-se a um aspecto particular das reformas ensaiadas por aquele Ntotila (Rei), que "a criação artificial de uma nobreza à europeia e de um aparato heráldico em nada modificaram a organização do povo Bakongo"  (75).

    Esclareça-se, no entanto, que a assimilação do Cristianismo e a integração de outros elementos da cultura europeia resultou - e este é um dado que reputamos de importante para a economia deste trabalho - da própria vontade do Rei Congolês D. Afonso I que para isso teve de vencer importantes resistências internas e insistir junto do rei de portugal D. João III para que este lhe enviasse cinquenta padres porque "havia quarenta anos que Deus o havia tirado da escuridão, mas acontece estarmos 5 a 6 meses sem missa nem sacramento, porque os oficiais de V A. o querem assim" (76).

     0 Cristianismo tomava-se também, desta forma, matéria de Estado para o Manicongo e Senhor dos Ambundo (77) que, no ano de 1512, em carta enviada ao Papa Júlio II, solicitaria a protecção da Santa Sé. Empenhado na centralização e personalizacão do poder, D. Afonso I encontrava na nova religião uma oportunidade para reforçar o seu prestígio e autoridade, adoptando a religião dos europeus e explorando a áurea mítica que os navegadores portugueses transportavam. Pigafetta diz, a este propósito, que estes "eram muito estimados e respeitados quase como deuses descidos à terra, vindos do céu"  (78).

    Estavam lançados os fundamentos para a penetração pacífica no Congo, um Reino que, sem imposição e numa base de reciprocidade de tratamento (79), se tomou tributário do rei de portugal (80) e foi integrado por vontade expressa do seu Rei D. Afonso I no "Padroado" português (81).

   Por esta altura, a baía de Cabinda era habitada por algumas aldeias integradas no  Reino do Ngoyo (há algum tempo separado do Reino do KaKongo) que se estendia desde esta baía até ao rio Zaire (82).

   Com as ligações marítimas para o sul dificultadas pela força da corrente para nordeste na embocadura do Zaire (83) cujo estuário estava enxameado de crocodilos, polvilhado de ilhotas e bancos de areia (84), os habitantes das pequenas aldeias que se dispersavam ao longo desta linha costeira, faziam da exploração dos recursos marítimos (pesca e salicultura), zelosamente guardados, e da construção de Almadias ou canoas (matéria-prima não faltava na densa floresta equatorial do Mayombe) as suas actividades económicas fundamentais.

    Em 1612, um mercador holandês escreveu, a propósito da actividade pesqueira na costa de Loango (contígua à baía de Cabinda): "Os habitantes são bons pescadores e pescam grandes quantidades. Pela manhã, fazem-se ao mar em canoas, que podem chegar a trezentas, e regressam ao meio dia" (85).

    A partir de meados do séc. XVII, o tráfico escravagista atraiu ainda mais os navios europeus ao seu porto, tornando-se Cabinda num importante ancoradouro para a drenagem de escravos oriundos do interior centro-oeste africano.

    0 comércio de escravos generaliza-se a partir de então e intensificam-se os conflitos entre os Chefes das aldeias e os Chefes clànicos ou tribais, entre estes e o Rei do Congo. Com efeito, comércio de escravos não era uma actividade exclusiva dos europeus. Entre outros testemunho, veja-se a carta que D. Afonso, Rei do Congo, enviou ao rei de portugal D. Manuel, em 26 de Maio de 1517, solicitando-lhe um navio para fazer aquele comércio. Por outro lado, uma parte deste comércio era feito à revelia das autoridades oficiais por aventureiros, conhecidos na época por lançados ou ainda por  tangomangos  (86).

     Também as lutas pelo poder nos séc.s XVI e XVII e o ataque dos errantes e muito aguerridos Yagas, que Pierre Bertaux apelidou de "um sistema em marcha" fizeram deste Reino um mosaico político complexo, pese embora a sua vincada unidade cultural. Após a morte de D. António I, em 1665, todas as seis províncias que o compunham conquistam a sua independência aproveitando a disputa da realeza por duas famílias rivais: a dos Quipanzos, a mais legítima, e a dos Quimulaços, procedente daquela por bastardia (87). Como resultado, acentuou-se a hostilidade das tribos, a insegurança dos caminhos, o isolamento das aldeias (88).

   A influência portuguesa no Reino do Congo entraria em franco declínio, mas a presença regular dos portugueses na sua costa marítima manteve-se apesar dos estrangeiros - nomeadamente holandeses, ingleses e franceses passarem a comerciar com grande liberdade na costa de Loango, em Cabinda, na foz do Zaire (Congo)  até Ambriz (89).  Aliás, quando julgou oportuno, e apesar de não ter procedido à sua ocupação efectiva, portugal jamais se eximiu a praticar actos de soberania naqueles territórios. Dois exemplos apenas, entre outros a que oportunamente voltaremos:

- em 1723, D. João V, invocando o direito histórico de portugal à posse destes territórios, não hesitou no protesto junto do Mani do Ngoyo e ordenou ao capitão José Semedo da Maia que destruísse o fortim que corsários ingleses tinham construído em Cabinda, num terreno que haviam comprado, no ano anterior, ao Soba local  (90),

- em 1784, foi a vez dos franceses, através de um seu oficial da Marinha, Bernard de Marigny, atacarem e desalojarem os portugueses da fortaleza de Santa Maria de Cabinda cuja edificação se iniciara no ano anterior e que tinha "por principal fim manifestar a posse efectiva d'aquelle domínio soberano" (91). Os protestos e a acção da diplomacia portuguesa levaram a frança, pela Convenção de 30 de Jan. de 1786 e sob mediação da espanha, a reconhecer oficialmente a soberania portuguesa sobre a costa de Cabinda (92).

     Não obstante os factos referidos, o declínio da presença portuguesa nas costas a norte do rio Zaire, a partir do último quartel do séc. XVI, passara a ser uma realidade, 0 próprio Marquês de Pombal, perante a impossibilidade da manutenção do monopólio desse comércio, por alvará de 11 de Jan. de 1758, declarou "Livre e franco o referido comércio de  Congo, Loango, portos e sertões adjacentes a todos e cada um dos meus vassalos destes reinos e seus domínios, que até agora o fizeram e pelo tempo futuro o queiram fazer" (93).

     0 enfraquecimento da posição de portugal neste comércio na costa do norte dominado pelo tráfico esclavagista e a deslocação mais para sul do seu centro de gravidade resultariam em dificuldades acrescidas para a defesa das teses portugueses aquando da execução do direito colonial internacional definido pela Conferência de Berlim (1884-85). Aliás, este mesmo facto não passaria despercebido ao governo inglês que, em 1853, através do conde de Clarendon, e apesar de reconhecer expressamente os direitos de portugal adquiridos pela prioridade da descoberta, foi avisando que este direito estava "prejudicado por abandono" ("suffered to lapse") (94). Que razões estarão na origem deste menor interesse pelo Congo, tanto mais que se tratava de uma região onde as potências europeias procuravam, ao invés, reforçar as suas posições?  Talvez por um conjunto razões pertinentes de que se podem destacar:

- a constante instabilidade política no Reino do Congo;

- a procura de novos produtos, nomeadamente, prata ;

- a maior capacidade de resposta das regiões a sul do rio Zaire (Ambriz, bacias dos rios Dande e Cuanza ... ) ao aumento de procura de escravos em consequência da sua superior densidade populacional;

- as vantagens económicas proporcionadas pela redução das perdas humanas decorrentes da aproximação dos locais de revenda aos de embarque;

- maior possibilidade de fuga ao controle fiscal quer da coroa portuguesa quer do Manicongo através do tráfico directo com os seus vassalos;
 

    No entanto, esta indefinição não afectaria a actividade comercial-marítima nesta região e serviria até para uma primeira demonstração da fidelidade dos Cabindas a portugal quando, em 1723, o Rei de Ngoyo apoiou os portugueses na expulsão dos corsários ingleses que aí pretendiam instalar-se e construir um fortim. 0 comércio de escravos, ainda que cada vez mais controlado por estrangeiros, continuou muito activo na baía de Cabinda e na Costa do Loango, como o ilustra o regozijo do governador Caetano de Albuquerque numa missiva enviada ao rei D. João V, em 1728: "( ... ) aos portos do Loango, Cabinda não vão há mais de oito meses navios estrangeiros, nem a este têm vindo depois que cá estou; estimo muito"  (99).

   Este lucrativo comércio prolongar-se-ia, ainda que numa situação de clandestinidade, muito tempo para além da celebração dos tratados abolicionistas na primeira metade do séc. XIX. 0 tráfico negreiro seria erradicado nas colónias portuguesa em 1847 mas, estimulado pela manutenção da escravatura no Novo Mundo, continuou relativamente florescente na costa norte, durante alguns anos mais, na costa de Loango, Cabinda, Molembo e Ambriz (100).
      Os Ntotila (Reis) do Congo na enumeração dos seus títulos, intitulava-se, por exemplo :  " D. Afonso por graça de Deus, Rei do Congo, e Ibungo (Vungu) e Ngoyo, d'áquem e d'além do Zaire,(..)".       A entrada do ultimo quartel do séc. XVII, ao norte do rio Zaire, a baía de Cabinda  integrada no pequeno e Independente Reino de Ngoyo - dividiu o seu  quotidiano, até à sua inclusão no Enclave configurado pelos convénios resultantes da Conferência de Berlim (1884-85), entre demonstrações episódicas de fidelidade à soberania portuguesa e opções que tinham que ver, fundamentalmente, com a defesa dos seus próprios interesses.
       Não sendo uma "res nullius" , a costa de Cabinda, e ao invés das terras do Ndongo , estava todavia, longe de constituir um território totalmente avassalado.

 
SUMMARY


 

 
NOTAS :
55 - 0 governo angolano obrigou-se a investir anualmente em Cabinda uma verba correspondente a 10% dos rendimentos auferidos com a exportação do petróleo ali extraído, em Jan. de 1995, o diário Jornal de Noticias deu conta de uma significativa manifestação de protesto em Cabinda contra o governo de angola por incumprimento deste compromisso.
56 - Cfr. A. L. Alves Ferronha, As Cartas do Rei do Congo D. Afonso, Grupo de Trabalho do Ministério da Educação para as Comemorações dos Descobrimentos, 1992, p. 11.
57 - Trata-se de uma expressão adoptada após o estabelecimento das relações com os europeus para designar uma organização sócio-política cujos mecanismos de autoridade e poder a aparentava a um verdadeiro Estado (Cfr. A. Custódio Gonçalves, Kongo, le Lignage Contre lEtat, l.I.C.T., 1985, p. 29),
58 - Nesta viagem de Diogo Cão utilizou-se, pela primeira vez, e em substituição das altas cruzes de madeira, um novo processo para demarcar e assinalar a posse dos lugares alcançados: os padrões de pedra, em cujos capitéis se achavam esculpidos o escudo de armas de portugal e uma legenda cronológica. No Padrão de S. Jorge pode ler-se: "Era da Creacão do Mudo de Seis Mil Bjc Lxxxjj Anos do Nacimento de Nosso Senhor Jeshu de Mil CCCCLxxxjj Anos o Muj Alto Muj Eicelete Poderoso. Principe ELRey Dó Joam Segundo de portugal Mãdou Descobrir Esta Terra e Poer Estes Padrões por Diogo Cão Escudeiro de Sua Casa" .
59 -  "Senhor do Congo" ou "Rei".
60 - Sobre as origens deste Reino, veja-se: G. Balandier, La vie quotidienne au Royaunne de Kongo du XVI au XVIII siècle, Hachette, Paris, 1965; J. Cuvelier, L'Ancien Royaunne de Congo, Desclée de Brouwer, Braxelles, 1946; L. Paiva Manso, História do Congo - Documentos 1492-1722, Tip. da Academia, lisboa, 1877; R. Ravenstein. The strange adventures of Andrew Battell of Leigh , london, 1901 - J. Van Wing, op. cit.
61 - Cf A. Custódio Gonçalves, op. cit. p. 98 Veja-se, também, J. Cuvelier, op. cit., pp. 37 -51;  Andrew Battel, op. cit., pp. 102-4 Philippo op. ,it - 39

62 - Cfr. Les Chefes indígenes au Mayombe, in Africa, VIII, 2, Jan. 1935, pp. 63-75.
   A sucessão dentro desta linha - extraordinariamente importante para a manutenção dos laços de parentesco - processa-se segundo a "filiação uterina", i.é., de irmão para irmão, para sobrinho uterino e depois para neto uterino.

63 - Cfr. A. Custódio Gonçalves, op. cit., p. 63.

64 - Defendem esta tese, entre outros, M. Fidalgo (Cfr. A evolução sócio-laboral do distrito de Cabinda após 1885, portugal e Cabinda, 1884-1885, in Pinheiro Chagas (Cfr. História de Portugal, vol. IV, p. 203), Refira-se, no entanto, que outros autores fazem remontar ao ano de 1491, data da terceira viagem dos portugueses ao Reino do Congo, o primeiro contacto dos portugueses com a baía das Almadias (Cabinda) estabelecido por Rui de Sousa, comandante da caravela "Nossa Senhora da Atalaia" que levava de regresso o Embaixador e familiar do Rei do Congo, Caçuta que acompanhara Diogo Cão no retomo a portugal depois da sua segunda viagem àquele Reino.
   Para o Padre Dom Joaquim Martins esta tradição terá estado na origem da atribuição dos nomes de "Rui de Sousa" e de "Nossa Senhora da Atalaia" a outras tantas ruas de Cabinda
( Cfr op. cit p, 18).

65 - Os seus nomes: João da Costa, António do Porto, João da Conceição e António Sepúlveda (Cfr. J, Cuvelier, op. cit., p. 37, informação extraída do manuscrito n. 473 da Biblioteca da Academia das Ciências de lisboa, "Memórias do Convento de São José pro Frei Vincente Salgado").

66  - "Aqui chegaram os navios de esclarecido rei dom João II de portugal, Diogo Cão, Pedro Anes, Pedro da Costa, Alvaro Pires, Pedro Escobar, João de Santiago, morto de doença, Antão, Diogo Pedro, Gonçalo Alves'' (Cfr. Gastão Sousa Dias, Julgareis qual é mais excelente ... , 1948, p. 7

67 - Cfr. Garcia de Resende, Crónica de EI-Rei D. João II, cap. CLVI.
   Nzinga a Nkuwu seria baptizado (1491) e adoptaria o nome, bem português, de D. João I (Cfr. J. Van Wing, op. cit., p. 32).

68 - Cfr Gastão Sousa Dias, op. cit., p. 8.

69 - Cfr. ld., ibid., pp. 11 - 15.

70 - Cfr. J. Cuvelier, op. cit., p. 183. Para este relacionamento surpreendentemente amistoso contribuiu certamente o apoio dos portugueses na luta que travou com o seu irmão pela tomada do poder.

71 - Cfr. A. Custódio Gonçalves, op. cit., p. 131.

72 - Veja-se, Carta de D. Afonso, Rei do Congo, a D. Manuel , (5 de Out. de 1514), in A. N. T. T., Corpo Cronológico, Parte 1, M. 16, Doe. 28.

73 - Cfr. Adelino Torres, op. cit., p. 184.

74 - Cfr. Radchffe-Brown e Daryll Forde, Os Sistemas Políticos Africanos, Parentesco e Casamento, 2-' ed., Fund. Cal. Gulbenkian, 1982, p. 290.

75 - Cfr. J. Van Wing, op. cit., p. 39.

76 - Cfr. Carta de D. Afonso, Rei do Congo (18 de Mar. de 1526), A.N.T.T., C. C-, Parte 1, M. 33, Doe. 121.

77 - Cfr. Damião de Góis, Crónica do Felicíssimo rei D. Manuel, lisboa, 1619, Parte III, cap. 39, Universidade de Coimbra, 1949.

78  - Cfr. Philippo Pigafetta, op. cit., p. 80.

79 - 0 pormenorizado Regimento que o rei de portugal D. Manuel confiou a Simão da Sílveira, seu embaixador junto do Manicongo (sem data, mas anterior a 1511) é, a este propósito, um documento deveras exemplar.

80 - Segundo A. 0. Cadornega, do tributo constavam um certo número de peças e uns tantos gatos de Algalia (Cfr. op. cit., pass.).

81 - Por "Padroado" entende-se o conjunto dos acordos estabelecidos entre a Santa Sé e portugal no sentido de assegurar a colaboração entre a Igreja e o Estado, nas empresas de descoberta e de evangelização dos territórios de além-mar.
    Foi no reinado de D. Afonso V que o Papa Nicolau V concedeu aos reis de portugal o direito de "invadir, conquistar, expugnar e subjugar os domínios infiéis existentes em qualquer parte do mundo", assegurando-lhes, desta forma, a posse "de jure" desses domínios. As bulas e cartas apostólicas autorizavam a utilização dos rendimentos eclesiásticos e da dizima para a realização daqueles objectivos, mas impunham a obrigação de prover às condições necessárias ao exercício da Religião (edificação e manutenção dos locais de culto, envio de padres, etc.).

82 - Cfr. Carta de Ia Côte de Loango reproduzida por L. Proyart, Histoire de Loango, Cacongo et autres Royaumes d 'Afrique, vol. 1, pass., C. P. Berton-N. Crapart, Paris, 1776 e por Joaquim Martins, op. cit., p. 16.

83 - Estas marés-vivas, chamadas calemas, são referenciadas em quase todos os relatos sobre a navegação na costa entre o cabo de Santa Catarina e o rio Zaire. Ainda no séc. XVIII, mesmo os maiores navios negreiros europeus preferiam muitas vezes a rota mais longa, embora mais previsível e segura do que a rota Guiné/São Tomé/Cabinda, que os conduzia, via Brasil, até às proximidades da costa sul da Africa austral, para então prosseguir para norte, empurrados pelos ventos e correntes favoráveis de Sudoeste.

84 - Cfr. Plhyllis Martin, op. cit pp. 47-48.

85 - Cfr. K. Ratelband- Reizen naar West Afrika van Pieter van den Broecke, 1605-1614,, Haia, 1950, p. 69, ap. Phyllis Martin, op. cit., P. 46. Veja-se, também, Abbé Prévost, op. cit., vol. VI, pp. 228-43.

86 - Cfr. A. N. T. T., Corpo Cronológico, Parte 1, M. 21, Doc. 109.
   Em 1517, uma carta de D. Manuel I, refere-se aos bens " dos christãos que se lançarem em Guiné com os negros", tal como uma outra de D, João III, de 1542, evoca as medidas decretados por seu pai contra os "que amdão lamçados em Guiné" (Cfr. Jean Boulègue, Les Luso-Africains de Sénégambie, l.I.C.T., 1989, pp. 11-2).

87 - Cfr. Ralph Delgado.

88 - Cfr. J. Van Wing, op. cit., pp. 127-128.

89 - Cfr, UNESCO, 0 Tráfico de Escravos Negros Séc.s W-,YIX, Biblioteca de Estudos Africanos, Ed. 70, 1979, pp. 164-6.

90 - Cfr. M. Fidalgo, op. cit., p.35, Pinheiro Chagas, op. cit,, vol. IX, p. 478 e Ralph Delgado, op. cit., vol. IV, pp. 324-7.

91 - Cfr, "Regimento" do comandante dessa missão, o capitão de mar e guerra António Januário do Vale, ap. Visconde de São Januário, et al., Memorandum, in Boletim da Sociedade de Geografia de lisboa, série 102', Jan. - Jun., 1884, p.34),
93 - Refira-se que esta liberalização não contemplava o tráfico de escravos. Um outro alvará, de 26 de Jan, do mesmo ano, fixava os direitos a pagar pelos escravos: 8.700 reis se tivessem a altura de 4 palmos craveiros e 4.350 reis se não atingissem tal medida.99 - Cfr. A.H.U., ex. n. 17, ap. Augusto Nascimento, op. cit., in Revista Internacional de Estudos Africanos, n.'s 14-15, cit., p. 182.100 - De todas as grandes potências esclavagistas, a grã-bretanha foi a única a considerar mais vantajoso lutar contra o comércio de escravos do que participar nele, mas por razões do seu próprio interesse (as prioridades coloniais tinham-se transferido então, para as índias Orientais e as suas fábricas reclamavam quantidades crescentes de matérias primas e novos mercados).

SUMMARY

 The Honorable People of Cabinda
(A text in portuguese)
A Gente de Cabinda
           Os Cabindas (29) constituem um povo considerado, por norma, pelos investigadores e pessoas que com eles contactaram, tanto no passado como no presente, com Tradições próprias bem marcadas e uma Cultura Superior à da maioria das populações vizinhas (30), um "povo" de quem João Falcato diz que "quase não desejaria chamar negros tanto se distinguem dos demais na cor bronzeada, na perfeição dos traços e no nível dos costumes " (31).    Dotados de um "vivo espírito filosófico e proverbialista" (32), o exuberantemente traduzido no singular simbolismo artístico - para o Padre Dom Joaquim Martins, " uma verdadeira escrita ideográfica" sem paralelo em parte alguma de África (33) - foram considerados por Almada de Negreiros como "os melhores marinheiros da África portuguesa" e "indivíduos de índole pacífica, muito morigerados nos costumes, respeitadores, e dedicados aos patrões".

            Estas qualidades dos Cabindas - no passado muito procurados pelas suas aptidões físicas para as tarefas marítimas (35) e pelas capacidades desenvolvidas nas suas relações seculares com os Europeus - conferiram-lhes mesmo um estatuto sócio-laboral bem distinto dos outros povos da África portuguesa. Auguste Nascimento, investigador do Centro de Estudos Africanos do I.I.C.T., num artigo "Cabindas em São Tomé" (36) (um estudo que abarca o período de meados do séc. XIX ao final da primeira década do séc. XX), releva este Status Superior que se traduzia, entre outras manifestações, na " rejeição da sua assimilação aos indivíduos não livres", na recusa de "uma inserção duradoura" nas sociedades de acolhimento (37), na relutância em aceitar trabalhos na roça onde a relação social se fundava na servidão (38), na imposição de contratos de trabalho com especificações sobre "a duração, o repatriamento e o salário", numa maior capacidade reivindicativa (recorrendo frequentemente ao conflito aberto) o que lhes permitiu  "assegurar formas de tratamento específico e diferenciado dos restantes", facto validado pelos próprios Boletins Oficiais onde os Cabindas, "nunca foram identificados com os serviçais". Porquê?

      Não foi seguramente devido a uma inaptidão natural dos Cabindas para essas tarefas, mas porque os trabalhos relacionados com o mar constituíam para os Cabindas um elemento simultaneamente de diferenciação e de defesa da sua condição relativamente aos "serviçais" e um factor de segmentação e hierarquização social. Assim, nos finais do séc. XIX, na fraseologia popular colonial, a expressão "Cabinda de água salgada"  traduzia um Nível Superior de valor e consideração social relativamente ao Cabinda do interior designado, pejorativamente, por "preto do mato".
     De resto, os testemunhos escritos deixados por comerciantes e missionários, que conviveram de perto com os Cabindas, são coincidentes na constatação de que estes, mesmo quando na condição de escravos e isolados do seu grupo social de referência, procuram manter e fazer reconhecer os seus "Tesouros" Clanicos e o seu Estatuto Social anterior, nomeadamente se lhes corresponde o Poder e o Prestígio de uma Origem Genealógica que os distinguem relativamente ao homem comum.
        Os exemplos da resistência da memória colectiva deste povo na diáspora, não escasseiam. Pierre Verger narrando uma revolta de escravos na Baía (Brasil), em 1821, dá conta de um espólio de "dois tambores, um grande e um pequeno, três sinetas de latão encontrados na casa de um escravo Cabinda, de nome Francisco José Cabinda, que justificou a posse destes instrumentos musicais para "se divertir com os seus compatriotas Cabindas, nos dias de festas, como as do Senhor de Bonfim onde iam dançar" (39)

   Em 1916, um viajante francês, de nome L. F. de Tollenare, percorrendo Ipojuca, em Pernambuco, narra um outro episódio curioso relativo a uma negra Cabinda chamada "Teresa Rainha" que fora condenada à escravidão numa senzala brasileira. Escreve este observador atento que esta mulher "quando chegou trazia nos braços e nas pernas anelões de cobre dourado" (insígnias Cabindas de nobreza) e que "as suas companheiras testemunhavam-lhe muito respeito. Era imperiosa e recusava-se a trabalhar. (..) Empregaram-na, porém, utilmente, para vigiar as companheiras, e saber fazer-se temer e obedecer" (40).

   Sob o ponto de vista étnico, os Cabindas pertencem à etnia (41) dos Bakongo (42), oriundos dos territórios do interior d'além do rio Cuango, (43) e ao grupo Etnolinguístico Kikongo (44) .

   Este grupo faz parte da grande e antropologicamente heterogénea família linguística e algo étnica dos Bantos ( Zindj ou Zendj, como eram designados pelos Árabes), um Povo que, há cerca de cinco mil anos se terá estabelecido no leste de África, entre o curso superior do Nilo e o Oceano, para um milénio depois ser expulso por novas vagas Banto (45).

    No final do primeiro milénio da nossa era, os Bantos ter-se-ão disseminado por toda a bacia conguesa afugentando, destruindo ou assimilando as populações autóctones, constituindo o grande fundo populacional não só de Cabinda como de toda a África a sul do Equador.
  José Redinha distingue, em África, nove grupos etno-linguísticos dessa família: o Kikongo, Kímbundo, Umbundo (ou Ovimbundo), Lunda-Kioko, Ganguela, Nhaneca-Humbe, Ambó, Herero e Xindonga.

         Sublinhe-se que esta enumeração reporta-se exclusivamente aos grupos etno-linguísticos. A diferenciação etnográfica é ainda bastante mais complexa.
         No grupo Kikongo, por exemplo, aquele autor assinala nada menos de 15 sub-grupos, além de mais algumas dezenas de elementos de menor vulto (46).
         Os outros grupos étnicos não-bantos são constituídos pelo grupo Koisan ou Hotentote-Bosquímano e pelo grupo Vátua ou pré-Banto.
         Pese embora a dificuldade e complexidade, repetidamente relevada, pelos etnólogos, em identificar e contornar territorialmente as manchas étnicas em África (fenómeno que é extensivo ao restante Continente Africano), pensamos que os Cabindas (distribuídos pelas tribos Vili, Iombe, KaKongo e Oio, pertencentes à etnia dos Bakongo e ao grupo etnolinguístico Kikongo) constituem, hoje não obstante a extrema dificuldade em definir fronteiras entre o património genético e o património cultural, entre os processos inatos e os processos adquiridos - uma fracção étnica com uma identidade histórico-cultural significativamente mais vincada e definida que outras.
 

 
      Os trabalhos dos antropólogos, etnólogos e historiadores são concordantes no relevo concedido à especificidade e à excepcional perenidade da cultura espiritual e material dos Bakongo comparativamente com a dos outros povos do centro-oeste e sul de África (48).
      Em segundo lugar, porque a herança étnico-cultural dos Cabindas fundada numa origem identitária comum (etnia Bakongo) e numa grande densidade das relações colectivas e das solidariedades étnicas foi sendo historicamente reforçada e fidelizada pelo uso e percepção do espaço como produto cultural específico. Com efeito, as vastas potencialídades geo-económicas da sua costa marítima - pesca, salicultura, comércio, hidrocarbonetos - e os generosos recursos florestais e mineiros do seu interior conjugaram-se numa feliz relação de complementaridade e autonomia, enraizamento e mobilidade social (49). Em 1895, um oficio do governador do Congo abordava a dificuldade em levar os Cabindas a ausentarem-se da sua terra natal: " (..) Este meu pedido resulta da relutância que todos os naturais deste enclave têm em morrer fora dele, sendo, como é, o principal motivo de repugnância que existe entre estes, em abandonarem a terra da sua natalidade (..)" (50). São estes factores que conferem às sociedades que os possuem em mais alto grau a consciência de comunidade política e a orientação objectiva que as levam a demarcar-se e mesmo a tentar impor o seu domínio sobre outros grupos sociais.
           Finalmente porque, e ao invés do que sucedeu no vizinho Reino do Congo que integrava o território do actual Estado de Cabinda e onde os portugueses puderam estabelecer, desde o início relações pacíficas fundadas no principio de igualdade de tratamento.
           Em Cabinda estarão reunidas a diversidade e complementaridade das características geográfico-naturais do seu território e a coesão e especificidade etnocultural da sua população temperadas por uma longa história de intensas comunicações entre os seus membros e com o exterior, constituem, no nosso entendimento, o "equipamento" de identificação, necessário e suficiente para integrarmos os Cabindas  no conceito de Povo tal como é definido por Karl Deutsch (51). É esse Cabindas no conceito "equipamento" que, em última análise, determina o êxito ou o fracasso das aspirações políticas de uma comunidade.
           Os Cabindas parecem tê-lo compreendido. Na ausência de autonomia política, i.é., de instituições que assegurem e representem a unidade política de uma comunidade, só a defesa dos seus valores socioculturais (Mitos, Dogmas, Ritos, Poderes Místicos, etc.) poderá preservar a solidariedade entre os diferentes segmentos sociais e os interesses seccionais em conflito. Mais do que qualquer outra coisa, pensamos que foi a adesão histórica dos Cabindas a esses valores exteriorizados (e actualizados) pelas ritualizações simbólicas que lhes permitiu pensar e agir como uma comunidade, lhes conferiu coesão e continuidade.
           Residirá aqui, em grande parte, a explicação para fenómenos que justificariam bastante mais atenção por parte dos estudiosos: a sobrevivência destes Bakongo à desarticulação do antigo "Reino" do Congo nos finais do séc. XVII e princípios do séc. XVIII;  a peculiaridade das suas relações históricas com portugal; a singularidade e o sentido afirmativo das escolhas adoptadas pelos Cabindas tanto no processo oitocentista de "partilha da África" como nos p fenómenos mais recentes da "Descolonização".

SUMMARY

Notas :

29 - Por "Cabindas", termo de utilização comum na documentação oficial, entende-se os naturais do Enclave Territorial e dominialmente definido aquando da partilha de África no séc. XIX.

30 - Cfr. J. da Silva Cunha, 0 Problema de Cabinda - Subsídios para a sua Interpretação, in Revista, Africana, Centro de Estudos Africanos, Univ. Portucalense, Porto, N. 12, Mar., 1993, p. 5.

31 - Cfr. João Falcato, 3a ed., Editorial Notícias, lisboa, 1961, p. 26

32 - Cfr. José Redinha, Distribuição Étnica, 1971, p. 9.
   Sobre as particularidades do seu carácter veja-se: João de Matos e Silva, Contribuição para o Estudo da Região de Cabinda, lisboa, 1904; Augusto Nascimento, op. cit., pp. 171-197; José Martins Vaz, Filosofia Tradicional dos Cabindas., pass., Agência Geral do Ultramar, lisboa, 1969.

33 - C&. Joaquim Martins, Sabedoria Cabinda (Símbolos e Provérbios), Junta de Investigações do Ultramar, Lisboa, 1968.

34 - Cfr. Almada de Negreiros, História etnográfica da ilha de S. Tomé, 1895, p. 260, ap. Augusto Nascimento, op. cit., p. 172.

35 - João de Matos e Silva transcreve um registo de 1884 relativo a uma viagem entre Benguela e Lobito a bordo de uma pesada baleeira onde se alude explicitamente à grande robustez Física dos remadores Cabindas (Cfr. op. cit., pp. 159-160).

36 - In Revista Internacional de Estudos Africanos, cit., pp. 171-197.
        V. também, PhyIlis Martin, op. cit., pp. 45-57

37 - Nas cidades, os Cabindas imigrados habitavam bairros separados e, nos dias de festa, reuniam-se para dançar e cantar a sua musica e praticar os seus Ritos (Cfr. J- Matos e Silva, op.cit., p. 13).

38 - Cfr. Id., ibid., p. 20).

39 - Cfr. Pierre Verger, Flux et reflux de Ia traite des nègres entre le Golfe de Bénín et Bahia de Todos os Santos du XVII au XIX siècle, Ed Mouton, Paris, 1968, p. 346, ap. Carlos Moreira Henriques Serrano, Poder, símbolos e imaginário social, os símbolos do poder na sociedade tradicional, Centro de Estudos Africanos, Instituto de Antropólogo da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1983, p. 52.

40 - Cfr. L. Câmara Cascudo, Made in Africa, Ed. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1965, p. 127, ap. Carlos Moreira Henriques Serrano, op. cit., p. 53.

41 - A etnia (de ethnos: povo) é constituída por um agrupamento de indivíduos, pertencentes à mesma cultura e que se reconhecem como tal. Mais do que uma possível homogeneidade psicossomática, o seu elemento essencial é a consciência colectiva que lhe assegura a coesão. Do ponto de vista social a etnia constitui uma unidade mais vasta que a família, o clã e a tribo.

42 - Alguns autores preferem a forma fonética simplificada Kongo desprovida do prefixo Ba. Optámos por Bakongo que é o termo mais comummente utilizado pelas fontes documentais de que nos socorremos e mantendo-o invariável.

43 - Cfr. J. Van Wing, Etudes Bakongo, Sociologie - Religion et Magie, Desclée de Brouwer, Léopoldville, 1959, p. 28.

44 - Cfr. José Redinha, op. cit., P. 8.

45 - Trata-se de uma palavra criada por W. Bleek, em 1826, formada a partir da junção do prefixo "Ba" para formar o plural de "ntu" (pessoa). Assim, com a designação "Bantu" (Ias pessoas) pretende-se identificar um povo que falava a mesma língua (Cfr. B. Duarte, Literatura Tradicional , Editora Didáctica  1975, p. 75).
      As primeiras referências a este povo conhecidas datam de 943 A. C. e são atribuídas a Mas'0udi, nas suas descrições do Golden Meadows (Cfr. Maria Paula da Costa et. al, África Negra, Contribuição para o Conhecimento Histórico Geográfico, Editores, lisboa - 1987 pp. 84-85 ) .

46 - 47 - Esclareça-se que se verificam algumas discrepâncias relativas aos critérios classificativos utilizados por alguns autores.

48 - Tal constatação não se devera, certamente apenas a um melhor conhecimento decorrente da existência de uma maior quantidade e qualidade dos trabalhos de investigação sobre os Bakongo.
49 - A mobilidade não é, neste contexto, antagónica da ideia de enraizamento, pois traduzem ambas o dualismo fundamental que caracteriza, tanto histórica como hodiernamente, o espaço social as relações litoral/interior (mar/terra) e interior/exterior; a mobilidade exterior tem como objectivo essencial a criação de condições para o enraizamento interior.50 - Cfr. A.H.S.T.P., c. 210, p. 4, M. único, ap. Augusto Nascimento, op. cit., p, 188.51 -  Karl Deutsch  considera que " uma comunidade compreende as pessoas que hao aprendido a comunicar-se entre si, mais para alem do simples intercambio de bens e de sevicos" e nao tem duvidas de que " a comunidade que, com uma historia comum, permite ser experimentada como tal e uma comunidade de habitos complementares e de facilidades de cominicacoes", " exige um equipamento para a realizacao de uma tarefa" e "o equipamento consiste nas recurdacoes gravadas, os simbolos, os habitos, as preferencias efectivas e as facilidades complementares" concluindoque " podemos chamar povo a um vasto grupo de pessoas ligadas por estes habitos complementares e por estas facilidades de comunicacoes", Nationalism and Social Communication, MIT Press, Cambridge, 1966, p. 91

SUMMARY


 ORDERS AND DECORATIONS OF THE FEDERAL REPUBLIC OF CABINDA
- Order of Christ
- Sovereign Crown Order of Cabinda
- Sovereign Grand Lodge of Ancient and Accepted Free Masons
( National Rite of Cabinda )
HEAD OF THE SOVEREIGN FAMILY
S.A.S., H.E. Dom Henriques Tiago N'Zita
President of the Federal Republic of Cabinda




 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 SOVEREIGNTY
 
Federal Republic of Cabinda. © 1999
 
 
INDEPENDENCE
 
  This page is Oficial and Governmental.
©1999 FLEC-FAC